24 de jun de 2015

Dia 15: Elsa e Fred (24 de março)

Na primeira vez que estive em Paris, havia muito para ver e fazer. Mas,apesar de estar lá apenas por três dias, havia algo que eu não poderia deixar de realizar (depois da Torre Eiffel, claro - há uma história aqui, mas fica para outra vez): passar de barco por debaixo das pontes no rio Sena. 

Uma cena de Antes do Pôr-do-Sol (Before Sunset2004) havia ficado impressa em mim, e eu a tinha de vivenciar de alguma forma. O filme foi a super esperada sequência de Antes do Amanhecer (Before Sunrise1995), do persistente Richard Linklater, Juie Delpy e Ethan Hawke estão envolvidos em um maravilhosamente orquestrado dialogo num barco pelo Sena. Suas expressões ficam por vezes escondidas nas sombras projetadas pelas pontes, ou são, por outro lado, iluminadas pelo sol. Era tão lindo , que eu precisava vivenciar essa cena de alguma forma fora do filme. E assim eu tentei fazer naquele dia em Paris. Por algum motivo que não consigo lembrar agora, não conseguir pegar um Bateau Taxi, então entrei numa embarcação turística mesmo, com toneladas de pessoas a bordo. Encontrei uma cadeira no lado de fora do barco, mais distante da multidão e da voz do guia no microfone. Comecei, assim, minha própria jornada pelas sombras das pontes de Paris. Sim, eu tinha  uma imagem prévia na cabeça, mas ela era impossível concretizar o que havia sentido no filme. Uma outra cena se construiu naquele momento, e foi igualmente incrivelmente bela. 

Aquela viagem eu revivi em Elsa & Fred, do diretor argentino Marcos Carnevale. Não vou revelar muito do filme aqui, menos ainda do que costumo aqui no blog. Porque, apear de ser capaz de perceber o final do filme p ela primeira cena, ele apresentou várias surpresas queridas, que tornaram esta história preciosa para mim.

Elsa & Fred me lembrou hoje de como o cinema imprime sonhos em nossas almas. E não apenas aqueles que são doces, gentis, iluminados, mas também os que partem o nosso coração em mil pedaços. O filme é encantado, engraçado, divertido. Eu ri tanto, espantada e deliciada com  a incrível  sem vergonha Elsa - uma personagem tão diferente do que eu havia imaginado de início a partir do poster do filme.

E como eu tive tempo de criar essa imagem. Por alguma razão sempre desconhecida, eu não assisti a este filme antes. Muitos amigos me falaram dele, um amiga me presenteou com o DVD inclusive... mas sem resultados, até agora. Somente hoje, quando eu pedi por um filme que me levasse pela mão em uma historia querida, bonita, doce, melancólica, engraçada, intensa. E eu recebi aquilo que pedi, em grande estilo.  Ao menos hoje. 

Elsa e Fred (Elsa y Fred). Dirigido por Marcos Carnevale. 
Com: China Zorrilla, Manuel Alexandre, Blanca Portillo. 
Roteiro: Marcos Carnevale et al. Argentina/Espanha, 
2005, 108 min., Dolby Digital, Color (DVD). 





PS: Ao pesquisar a respeito desse filme no imdb.com, vi que há um remake americano de 2014 com Shirley McLaine, Christopher Plummer and Marcia Gay Harden. Apesar do excelente elenco, não sou uma entusiasta das versões americanas de filmes europeus. A produção argentina conseguiu evitar o excesso de sentimentalismo ao contar essa delicada história, mas eu tenho certeza que o mesmo não ocorreu na versão de Hollywood.

PPS: Elsa tem, na sua casa, fotos de Anita Ekberg em La Dolce Vita. Ao assistir ao filme, eu podia olhar para a imagem de Anita e Marcelo na minha sala, abaixo da TV. Durante a sua lua de mel em Roma, uma amiga querida me trouxe uma foto do filme de Fellini na famosa Fontana di Trevi - um ato tipicamente turístico pela qual sou imensamente grata:


PPPS: Fragmentos: Alguém como Você (Someone Like You2001); Truque de Mestre (Now You See Me  - novamente, mas agora com algumas cenas do início que eu não tinha visto antes).

PPPPS (Esse monte de P's não são uma piada, prometo): A imagem que inicou este post:


Embaixo das pontes de  Paris com Antes do Pôr-do-Sol

Nenhum comentário:

Postar um comentário