13 de jun de 2015

Dia 4: O Lenço Amarelo (13 de março)

Exatamente neste momento, dei-me conta de que hoje é Sexta-Feira 13. Se tivesse me dado conta disso antes, teria escolhido um filme de terror para o quarto dia de desafio. Mas como eu tento deixar o filme me escolher, na verdade, foi isto que aconteceu hoje: 

Na semana passada, eu conversava com alguns amigos sobre o Oscar e, num determinado momento, sem saber por que, nós começamos a lembrar de atores com cara estranha. Claro que Benedict Cumberbatch foi o primeiro. Outro foi Eddie Redmayne (ambos indicados ao Oscar de melhor ator neste ano, talvez seja essa a razão da temática). Os amigos homens concordaram comigo, mas as mulheres discordaram, considerando que eu estava sendo desrespeitosa (mas eu não estava, prometo).   
Hoje eu pude confirmar quão estranho o rosto de Redmayne é de fato em O Lenço Amarelo (The Yellow Handkerchief), um filme de 2008 dirigido por Udayan Prasad. Há tempos queria ver esse filme e ontem, durante Para Sempre Alice, ele me veio à lembrança. Dessa forma, o filme convidou a si mesmo para o quarto dia deste desafio.
Uma sexta-feira devagar, um filme quieto para acompanhar. No começo, ele me pareceu um pouco clichê. Três almas perdidas no mundo se encontram ao acaso e iniciam uma viagem de carro. Começam a a conhecer uns aos outros de uma forma mais profunda, para além do estranhamento inicial. Um ex-presidiário, uma adolescente rebelde e sensível, o cara esquisito: eles vêem a si mesmos viajando contra sua própria vontade pelo Sul dos Estados Unidos no mesmo carro. Durante a viagem, o estranhamento dos personagens diminuiu juntamente com o nosso, à medida que temos uma melhor noção de quem são esses personagens, os quais passam a se conhecer melhor quando ficam sabendo das motivações por trás de cada um deles. Tudo isso ocorre em um ritmo calmo, tranquilo, com vários flashbacks amarelados como o lenço do título.

Eu realmente gosto de filmes sobre pessoas perdidas, apesar de esquecer disso às vezes. Mas neste filme eu lembrei da primeira vez em que tomei consciência dessa atração: Noturno Indiano (Nocturne Indien), uma produção francesa de 1989 dirigida por Alain Corneau, chamou minha atenção para esse fato. Não lembro do filme em detalhes, somente de como me conscientizei a respeito. E essa percepção continua comigo vívida até hoje.  

William Hurt está no seu elemento como um homem triste, perdido. Não por acado ele se chama Hurt, eu acho. Kristen Stewart, ainda encolhendo os ombros, está linda e igualmente triste como a adolescente inadequada em sua cidade que viaja com dois absolutos estranhos. E Eddie Redmeyne é um encanto, em seu esquisito, também inadequado jovem que esconde sua imensa tristeza em uma aparência tola. Assim eu o percebi, apesar de não conseguir pensar nele a não ser como extremamente fofo após seu discurso de agradecimento no Oscar em 2015. Durante o filme, eu me peguei sorrindo sempre que lembrava dele no Oscar. Por fim, há a forte, embora menor, presença de Maria Bello. 

Meu sorriso constante, no entanto, se deu também pelo andar da história e seus personagens, que me conquistaram ao longo do o filme. Uma paisagem bela, juntamente com  casa abandonadas e esse sentimento claustrofóbido que o sul dos Estados Unidos provoca em mim, as músicas folk, um ritmo lento e calmo... logo eu estava capturada pela história e pelas pessoas nela retratadas.

Uma boa viagem num dia especialmente tranquilo.  

http://onemovieadaywithamelie.blogspot.com.br/2015/03/day-four-march-13.html

O Lenço Amarelo (The Yellow Handkerchief)Dirigido por 
Ydayan Prasad. Com: William Hurt, Maria Bello, Kristen 
Stewart, Eddie Redmayne. Roteiro: Erin Dignam a partir
da história de de Pete Hamill. US, 2008,  102 min, Dolby 
Digital/DTS/SDDS, color (DVD).




Ps: O primeiro  post scriptum a este post é sobre, claro, o discurso de agradecimento mais incrivelmente fofo de toda a história do universo:  



PPS: Fragmentos durante o dia - no café da manhã, fazendo crochê ou simplesmente passando o tempo em frente à TV (Eu disse que o dia tinha sido tranquilo): Como não esquecer essa garota (Remember Sunday,2013), um filme fofinho com Alexis Bledel e Zachary Levi; O lugar onde tudo termina (The Place Beyond The Pines2012), de cortar o coração, e Rush: No limite da emoção (Rush, 2013).

Nenhum comentário:

Postar um comentário