21 de jul de 2015

Dia 109: Minions + O Exterminador do Futuro: A Salvação (26 de junho)

Tó, para tu!
Torpedo!!!!

Claro que eu estava lá para ver Minions com meus dois amados sobrinhos. Cadeiras que mexem, tela gigante, imagens em 3D... com o adicional de risadas felizes, pipoca e muito refrigerante.  

Em resumo, foi muito divertido. 

E o filme? Não vamos esquecer dele... Para mim, já o início, com o logo da Universal, valeu o ingresso. Os primeiros minutos são ótimos também, com a jornada dos Mínions pela história. Nós rimos demais. No entanto, chegou a hora da história principal, quando o filme então se tornou um pouco entediante (mas não infame, porque aqueles caras amarelos são sempre muito legais), para ressurgir ao final, quando se torna mais emocional e querido. As musicas dos anos 60 são geniais, e eu me pequei cantando baixinho (eu juro), especialmente com The Doors e The Kinks :)

Uma das melhores partes no filme surgiu na tela com o cinema quase vazio, a equipe de limpeza esperando para entrar na sala, meus dois queridos dançando embaixo da tela, numa cena musical divertida após os créditos finais. Se possível, não tenha pressa, permaneça na sua poltrona ou saia dançando pelo cinema (você estará lá sozinho de qualquer forma), e aproveite a experiência com os Minions. Porque é disso que se trata, mas do que um filme na verdade. 

Banana!

Minions. Dirigido por Kyle Balda, Pierre Coffin. Com: Pierre Coffin, Sandra
Bullock, John Hamm
(versão original). Roteiro: Brian Lynch. EUA,  2015, 91 min., 
Datasat/SDDS/Dolby Digital/Dolby Atmos, Color, Animação (Cinema).

PS: Meus Minions <3



À noite, depois de muita diversão, eu me acomodei no sofá para assistir ao último filme da série Exterminador - ao menos até a semana que vem, quando estreia o quinto filme. A minha principal memória dessa produção foi a atmosfera dark, além de se tratar da primeira vez que vi Sam Worthington nas telas.  

Eu não vejo nenhum grande problema em O Exterminador do Futuro (Terminator Salvation) além das grandes expectativas a respeito, por ser um filme da franquia do Exterminador. Ele é mais obscuro, próximo do apocalipse imaginado por George Miller e que inspirou James Cameron no primeiro filme. As cenas de ação são boas, a história faz sentido, e finalmente nós somos colocados no mundo após o Dia do Julgamento. 

O surto de Christian Bale durante a produção colocou uma mancha na sua atuação, mas ele é um  John Connor bastante convincente.

Os eventos seguem o que apresentado no terceiro filme, mas numa produção mais competente, sem dúvida. Ele se encontra um pouco afastado dos dois primeiros, ainda, mas eu gostei da sua atmosfera mais intensa. Há alguma cafonice, claro, era esperado. No entanto, eu sempre me disponho a discussões sobre o que nos caracteriza como humanos, e este, apesar de óbvio, traz um debate importante sobre tolerância e diferenças. É uma conquista importante, especialmente neste 26 de junho de 2015, em que a Suprema Corte dos Estados Unidos legalizou o casamento gay em todo o seu território. 


O Exterminador do Futuro: A Salvação (Terminator Salvation). Dirigido
por  McG. Com: Sam Worthington, Christian Bale, Brice Dallas. Roteiro:
 John Brancato, Michael Ferris. EUa/Alemanha/Inglaterra/Itália, 2009,
 SDDS/Dolby Digital/DTS, Color (DVD).

PS: All we need is love <3 Amor conduz a tolerância e respeito, não a preconceitos... 



PPS: Eu pensei em postar o áudio com o surto de Bale, mas é  triste, mesmo que ele tenha razão. E não acho necessário insistir nisso, sempre lembrando que todos temos um mal dia às vezes. Um dia horrível, na verdade, que gostaríamos de apagar da nossa história. 





Nenhum comentário:

Postar um comentário