21 de jul de 2015

Dia 110: A Menina dos Campos de Arroz (27 de junho)


Interessante em A Menina dos Campos de Arroz (La Rizière), uma produção franco-chinesa, foi o sentimento de que eu era uma mosca que, sem ser percebida, observava a vida dos habitantes de uma pequena vila rural no sul da China. Um dia, eu lá cheguei... um ano depois, eu fui embora. O que testemunhei não tinha início nem fim. 

O foco dessa observação é A Qiu, uma garota que sonha com uma educação melhor e uma vida para além dos campos de arroz do seu povoado Dong - o filme todo é falado em Dong, não em mandarim, conferindo uma sensação ainda maior de isolamento. Longe de qualquer elemento moderno, ela vive uma rotina puxada com um sorriso doce no rosto. Nós nos sentimos de tal forma em outro tempo que se torna até surreal - e muito belo. Mas é uma vida bastante dura. 

Qiu não é rebelde, mas ela deseja outra vida, uma diferente da que tem. Ela sonha em escrever, e por essa razão talvez ela mesma seja a narradora da sua história, contando sobre sua vida com os avós, com seus pais, o irmão e uma amiga. Pela sua percepção das coisas, podemos conhecer o conflito entre permanecer na vila em que nasceu ou procurar um emprego na cidade, o que se torna mais claro pelas escolhas dos pais de Qiu - sempre através do seu olhar e narrativa tranquila. E ela faz um bom trabalho. É lindo quando ela descreve como se sente ao escrever: como se suas mãos tivessem vida própria. 

Dessa forma, eu me considero com sorte por conhecer sua história, mesmo que por um curto período de tempo e ainda que não possa saber muito além do que ela me contou. Esse é um aspecto difícil no filme. A lição aqui é que a vida é difícil, o dia seguinte é incerto, que precisamos trabalhar muito para conquistar o que desejamos, e normalmente as coisas fogem do nosso controle. Há imprevistos demais na vida, a qual se torna um jogo de superação e seguir em frente. Em resumo, vemos tristeza, trabalho duro, esperança e conquistas e perdas. É só uma questão de saber como lidar com cada uma delas com um coração honesto.

http://onemovieadaywithamelie.blogspot.com.br/2015/06/day-110-rice-paddy-june-27.html


The Rice Paddy (La Rizière). Dirigido por Xiaoling Zhu. Com: Xiang
Chuifen, Shi Guangjin, Wu Shenming.  Roteiro: Simon Pradinas, Xiaoling
Zhu.  França/China,  2010, DTS, Color (Cinema).

Nenhum comentário:

Postar um comentário